Avaliação da aftosa na Colômbia e no Brasil, segundo Sebastião Guedes

vacinacao1-1-640x427

A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando a nação foi declarada livre da doença que afeta bovinos. O caso pode causar impactos nas exportações de carne daquele país, mas não o Brasil, afirma Sebastião Costa Guedes, vice-presidente de Relações Internacionais do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC) e presidente do Grupo Interamericano para Erradicação da Febre Aftosa (Giefa).

A informação do foco de aftosa em território sul-americano, no Departamento de Arauca, na fronteira com a Venezuela, foi confirmada pelo Instituto Colombiano Agropecuário (ICA). A estatal notificou o caso à Organização Mundial de Saúde (OMS), por meio de nota, no último dia 24 de junho.

Também presidente da Academia Brasileira de Medicina Veterinária (Abramvet), Guedes, que é médico veterinário, ressalta que “o foco na Colômbia, na região fronteiriça com Venezuela, não nos surpreende”.

“A Venezuela está em situação crítica e existem profundas divergências entre governo e setor privado”, ressalta ele, em entrevista à equipe SNA/RJ.

De acordo com o executivo, “felizmente, o foco na Colômbia está distante da fronteira brasileira”. “Nossa divisa com Venezuela está com defesa reforçada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)”, afirma Guedes, destacando que o problema foi identificado a mais de 700 quilômetros do Brasil.

Sebastiao-Guedes_presidente-do-Giefa1

“Nossa divisa com Venezuela está com defesa reforçada pelo Mapa ”, afirma Sebastião Costa Guedes, vice-presidente de Relações Internacionais do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC). Foto: Divulgação

CASO NOS EUA

Recentemente, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) acusou vestígios de vacina em carne bovina brasileira importada por aquele país. Na sequência, o governo norte-americano anunciou o embargo ao produto in natura vindo do Brasil.

De acordo com Guedes, antes do problema detectado nos EUA, foram realizadas diversas reuniões com as agroindústrias produtoras de carne, para alertar sobre os riscos da vacinação, quando ela é mal aplicada. Ele se declara contrário à forma como hoje é feita: via intramuscular em vez de subcutânea.

Conforme o médico veterinário, a vacina na região subcutânea é realizada abaixo da pele, enquanto a intramuscular atinge grandes massas de músculos dos bovinos. Ele ainda defende que os testes com as vacinas devam ser feitos dois meses antes da vacinação, mas atualmente isso ocorre em apenas 28 dias.

 

RETIRADA DA VACINA

Apesar do atual cenário, o vice-presidente de Relações Internacionais do Conselho Nacional de Pecuária de Corte reafirma que o Brasil deve prosseguir com o plano de retirar a vacinação contra a febre aftosa.

“O CNPC e outras entidades desejam iniciar a retirada em 2019 e concluí-la em 2021. Temos, no Brasil, 118 milhões de cabeças em Estados com mais de 20 anos sem focos. Possuímos 45 milhões em Estados com, pelo menos, 15 anos sem focos. A epidemiologia mostra um quadro sem transmissão viral. Por isso, somos favoráveis à retirada da vacina”, reforça Guedes.

© Copyright 2001 - 2017 - Todos os direitos reservados.
CNPC – Conselho Nacional da Pecuária de Corte
Paradoxo Digital