14/05/2018 - Notícias CNPC

Federação quer pautar segurança rural no debate eleitoral em SP

Levantamento da Faesp contabiliza 15 mil ocorrências no campo; entidade vai propor 12 medidas a candidatos

A Federação Agrícola do Estado São Paulo (Faesp) vai encaminhar aos candidatos ao governo de São Paulo 12 sugestões de medidas de segurança no campo para diminuir a criminalidade nas regiões rurais do Estado. Levantamento da entidade releva que foram registradas cerca de 15 mil ocorrências no ambiente rural entre janeiro de 2017 a março de 2018. Do total de registros, de acordo com esse levantamento, 76% se relacionam aos crimes de furto, roubo e latrocínio.

“É necessária uma ação imediata dos poderes públicos, levando ao campo a segurança para que o produtor tenha condições de aprimorar cada vez mais a produção com produtividade”, afirmou o presidente da Faesp Fábio Meirelles.

A segurança virou um dos temos prioritários do setor do agronegócio nesta eleição, mostrou a reportagem do Estado no dia 6 de maio. Preocupados com furtos e o aumento dos roubos, produtores rurais e representantes do agronegócio do País querem pautar o combate à violência no debate eleitoral.

No relatório, a Faesp diz que as medidas, se implementadas, poderiam diminuir os índices de criminalidade. Entre elas, “o aumento da presença ostensiva dos agentes policiais estaduais e municipais” e “a incorporação das informações registradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR) nos sistemas informatizados da Polícia Militar, o que permitiria maior agilidade e precisão no despacho de viaturas para o atendimento de ocorrências policiais na zona rural”.

Conflitos no campo deixam 59 mortos e violência é a maior em 13 anos

Maquinários, insumos agrícolas e gado não são os únicos objetos de roubo no campo. Boa parte das ocorrências também acontece dentro das residências, de onde os bandidos levam móveis, eletrodomésticos e eletrônicos. “No momento, o homem do campo tem menos medo do desemprego do que da violência que se instalou, trazendo insegurança permanente ao meio rural”, ressalta Meirelles.
ONU cobra resposta do Brasil sobre mortes no campo

Outro ponto destacado pelo presidente da Faesp é a faixa horária em que os crimes acontecem. “Há uma predominância dos crimes praticados no período noturno, entre 17h e 6h da manhã”. O presidente da instituição também explica que quase a totalidade dos crimes envolve a invasão das propriedades privadas, “Os criminosos invadem para roubar, furtar e sair rapidamente carregando os itens roubados antes que seja acionada a polícia”.
POLICIAMENTO

Dentre as ações já feitas em parceria com a Polícia Militar, a Faesp destaca a criação de conselhos de segurança regionais. De acordo com Meirelles, os próprios produtores também têm investido em equipamentos de vigilância. “Muito tem sido feito, mas, infelizmente, o crime se sofistica também e as estatísticas criminais e a sensação de insegurança aumenta.”

Ruralistas devem se dividir entre candidatos à Presidência

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública diz que, somente neste ano, 47 pessoas foram presas em flagrante em áreas rurais e 139 armas de fogo foram apreendidas pela Polícia Militar Ambiental. De acordo coma pasta, o policiamento ambiental atua prioritariamente na preservação do meio ambiente e na proteção dos recursos naturais, prevenindo e combatendo os crimes e infrações ambientais em todo o território paulista e, de forma suplementar ao policiamento territorial (Batalhões de Área), na prevenção e repressão dos crimes comuns nas áreas rurais.

© Copyright 2001 - 2018 - Todos os direitos reservados.
CNPC – Conselho Nacional da Pecuária de Corte
Paradoxo Digital