05/05/2018 - Notícias CNPC

Paraná deseja antecipar fim da vacinação contra aftosa devido ao setor suinícola

Exportações vem sendo barradas no Estado por conta do status sanitário, afirma Adapar.

O setor suinícola do Paraná vem sofrendo baixas na exportação devido à obrigatoriedade da vacinação contra aftosa para o rebanho bovino. Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar, Curitiba/PR) apenas 1% das cabeças são provenientes de outros Estados.

A barreira sanitária coloca, segundo a agência, em “xeque” a sanidade do Estado como um todo. Atualmente, a Adapar declara que 65% das exportações de suínos têm sido barradas devido a esses critérios. O diretor da instituição, Inácio Kroetz, afirma considerar o Paraná com condições de antecipar o fim da vacinação.

No plano atual do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA, Brasília/DF) o fim da vacinação para o Estado deve ocorrer em 2021. “Nosso vizinho [Santa Catarina] não vacina e nem por isso teve qualquer episódio. O Paraná tem condições em relação à aftosa e a qualquer doença transfronteiriça. Agora, sobre a questão do estoque de vacinas, é óbvio que será necessário. Hoje, se o Paraná resolver sair isoladamente, não haveria problemas, porque a vacina continua sendo aplicada no Brasil e haverá estoques. Mas se o Brasil resolver sair como um todo, aí não teria como”, completa o diretor.

Apesar deste posicionamento sobre o Estado, para todo o País, Kroetz considera que a medida para o momento “não é favorável”. Ainda assim, ele ressalta que em relação aos outros Estados o Paraná tem mais propensão a dispensar a vacinação antes do previsto: “Se considerarmos as possibilidades de ingresso do vírus, temos lugares mais vulneráveis”.

“O isolamento do Estado poderia desregular o mercado de bovinos”, pondera o professor Universidade Federal do Paraná (UFPR, Curitiba/PR) Paulo Rossi, que também ressalta os problemas de fronteiras com outros Estados e países. “Eu ainda vejo com certo temor por uma questão de todo o controle sobre a doença. A gente ganharia em longo prazo, na exportação, mas teríamos problemas sérios em curto prazo”, afirma.

Fonte: Gazeta do Povo, adaptado pela equipe feed&food.

© Copyright 2001 - 2018 - Todos os direitos reservados.
CNPC – Conselho Nacional da Pecuária de Corte
Paradoxo Digital