Estados

teste
7185
07/11/2017

Rússia amplia restrições à carne brasileira

País suspendeu temporariamente as importações do Mataboi e aumentou as exigências para outras quatro unidades de bovinos; ministro diz que medida é normal

Em despacho publicado em seu site oficial, o Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Veterinária da Rússia anunciou a suspensão temporária das importações de carne bovina do frigorífico Mataboi, citando substâncias fora do padrão sanitário do controle adotado pelo país.

A medida passará a valer a partir do dia 15 deste mês. Para os produtos embarcados antes dessa data, serão feitas inspeções adicionais.

A decisão vale também para a gordura e miúdos bovinos produzidos pela Mataboi. As autoridades russas não informaram até quando a suspensão das compras estará em vigor.

Para outros cinco frigoríficos, a autoridade sanitária russa impôs novas restrições para a importação de carne, fixando controles sanitários mais rígidos. Segundo o despacho publicado no site da agência russa, essas novas restrições estão em vigor desde o dia 30 de outubro.

Foram alvo das novas restrições a carne bovina vendida pelos seguintes frigoríficos: JBS, Frigoestrela, Frigol e Frigon – Irmãos Gonçalves. A compra de carne de porco do frigorífico Aurora também sofreu restrição.

Ministério – O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, afirmou que a suspensão temporária das importações de carne bovina do frigorífico Mataboi, de Goiás, anunciada ontem pela Rússia, é uma medida normal. O ministro disse que, até o momento, as informações que detém são somente aquelas repercutidas pela mídia e que a medida é “coisa é do dia a dia”.

Segundo Maggi, o aumento de controle de qualidade pela Rússia não têm ligação com a Operação Carne Fraca. Ele disse que a pasta ainda não recebeu um comunicado oficial.

“Tudo que eu sei é pela imprensa. É absolutamente normal acontecer esse tipo de evento, com suspensão temporária ou, às vezes, mais prolongada, quando o importador detecta uma inconformidade”, disse o ministro, em áudio distribuído à imprensa.

“Vamos fazer a checagem, vamos comunicar aos frigoríficos que foram citados e eles deverão tomar as medidas cabíveis para fazer a correção”, completou.

O presidente da Câmara Setorial de Carne Bovina do Mapa e vice-presidente de Relações Internacionais do Conselho Nacional de Pecuária de Corte, Sebastião Guedes, especula que também possa se tratar de um movimento para forçar renegociações. “Essa já é uma época que importam menos, porque os portos e o transporte ficam prejudicados pelo inverno, então pode ser uma decisão ligada a condições negociais”.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO e Agência Brasil

05/11/2016

Vacinação conta febre aftosa

Tipo De Vacina:   Vacinação conta febre aftosa
Datas   Março, Abril, Maio, Julho, Agosto e Novembro
Vacinação de todo o rebanho bovino e bubalino. No Amazonas, em 41 municípios que compõem as margens do Rio Amazonas, todos os bovinos e búfalos são vacinados nos períodos de 15 de março a 30 de abril e de 15 de julho a 31 de agosto. As partes livres dos municípios de Canutama e Lábrea seguem o mesmo calendário de Rondônia. Os demais municípios vacinam em maio e novembro.

1234Próxima
© Copyright 2001 - 2016 - Todos os direitos reservados.
CNPC – Conselho Nacional da Pecuária de Corte
Paradoxo Digital